quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Arte Xávega III - Evolução a partir dos anos 60, até à atualidade:

A Arte Xávega tradicional era uma actividade que necessitava de bastante mão-de-obra, em que cada "Companha" de pescadores costumava ter várias dezenas de pessoas a trabalhar.
Contudo, nos finais da década de 60 e princípios da década de 70, a Arte Xávega sofreu uma carência de mão-de-obra. Sendo uma actividade de rendimentos baixos, incertos e sazonais, perdeu muitos pescadores que nesta época optaram pela Emigração ou por procurar trabalho em outras ocupações profissionais mais bem remuneradas e estáveis que foram surgindo no país.
Paralelamente, nesta altura também surgiram no mercado motores de popa (ou motores fora de borda) a preços acessíveis.

Estes dois factores conjugados (a falta de mão-de-obra e o surgimento no mercado de motores fora de borda a preços acessíveis), conduziram a uma primeira revolução na Arte Xávega tradicional. Os novos barcos construidos a partir desta altura, adaptados para serem propulsionados a motor, diminuíram bastante de tamanho (uma vez que já não necessitavam de acomodar dezenas de remadores) e passaram a ir ao mar com tripulações reduzidas de 3 a 6 homens. Muitos barcos ainda conservaram um par de remos, para serem usados em caso de avaria do motor e para impulsionar os barcos durante os primeiros metros de entrada no mar, até a embarcação atingir uma profundidade suficiente para utilizar a hélice sem esta tocar no fundo de areia e pedras.

A Arte Xávega manteve-se assim durante aproximadamente 20-25 anos, até que em meados da década de 90 passa por uma segunda revolução, assente na mecanização. Foram introduzidos tratores especialmente modificados que permitiram libertar os homens e as juntas de bois/vacas (estas últimas desapareceram deste tipo de pesca) de grande parte do esforço físico que ainda faziam. Estes tratores modificados passaram a:
- Puxar as redes, através de cabrestantes/guinchos/molinetes (não sei a terminologia correta) montados na sua parte traseira.
- Empurrar os barcos para o mar, através de um braço articulado instalado à frente. Isto fez com que os barcos já não precisassem de utilizar os remos durante os primeiros metros da entrada no mar.
- Puxar os barcos do mar para a praia.
- Rebocar atrelados com diversas cargas.

Algum barcos foram dotados de rodas de automóvel para facilitar a sua deslocação na praia, quando empurrados ou puxados pelos tratores. Vários barcos deixaram mesmo de ter remos, enquanto outros ainda os conservam para utilizar em caso de avaria do motor ou por tradição.

Contudo, este período também trouxe novas adversidades à Arte Xávega, ao nível da Burocracia e Legislação Estatal, que por vezes não levam em conta as especificidades deste tipo de pesca tradicional. As regras rígidas do Estado, apesar de terem boas intenções como a conservação dos recursos marinhos ou a segurança alimentar, complicam bastante a vida aos pescadores que ainda resistem.

Qual será a próxima revolução da Arte Xávega, se sobreviver por mais algumas décadas? Talvez a inclusão de dispositivos eletrónicos? Talvez nos materiais? Já foram construídos barcos em fibra de vidro e alumínio (resistente à corrosão), substituindo a tradicional madeira e o ferro. Pelo menos um destes barcos já pesca na Praia de Mira há alguns anos!

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Arte Xávega II - À Moda Antiga.

A Arte Xávega tradicional praticada nos tempos antigos, até às décadas de 60 e 70 do século XX, apresentava algumas diferenças em relação à que actualmente ainda se pratica nas praias de Mira ou da Tocha, no Litoral Gandarez, bem como em alguns outros pontos da costa portuguesa onde ainda sobrevive. É essa antiga Arte Xávega que vou tentar apresentar ao leitor de forma resumida.

Nesses tempos remotos, os barcos eram bastante maiores do que agora (com o dobro, o triplo ou até mesmo o quádruplo do tamanho), para acomodarem tripulações numerosas de 15 a 50 homens durante as idas ao mar, sendo que a maior parte deles eram remadores que manuseavam os pesados remos da embarcação. Cada barco tinha um ou dois pares de grandes remos, que podiam necessitar de 4 a 10 remadores cada.

Para puxar ou empurrar estes pesados barcos do/para o mar, usavam-se carris móveis improvisados de madeira e troncos, sobre os quais as embarcações eram roladas na praia.

Se no mar o esforço braçal físico exigido aos pescadores era hercúleo, as tarefas pesadas a efectuar no areal da praia também não ficavam atrás. Por isso, em muitas localidades costeiras, as "Companhas" de pescadores passaram a usar várias juntas de bois/vacas para efectuar os trabalhos mais pesados em terra, como puxar as redes e colocar/recolher o barco no/do mar. Assim aconteceu na Praia de Mira (ou Palheiros de Mira), onde estas juntas de bois/vacas se tornaram bastante comuns.

Contudo, na Praia da Tocha (ou Palheiros da Tocha) não se adoptou o uso de juntas de bois/vacas nas tarefas da Arte Xávega, embora as carroças puxadas por gado bovino fossem utilizadas no transporte de materiais entre a praia e as localidades mais próximas. Quais as principais razões para isto? Confesso que não sei!

Mas penso que poderá ter a ver com razões de ordem logística. A Praia da Tocha dos tempos antigos era um lugar bastante isolado e de difícil acesso por caminhos arenosos no meio das dunas, que ficava a vários quilómetros de distância dos campos agrícolas e pastagens razoáveis mais próximas. Neste contexto, manter e alimentar em permanência várias juntas de bois/vacas na Praia da Tocha seria bastante difícil em termos logísticos. Ao contrário, na Praia de Mira, existiam campos agrícolas a poucas centenas de metros do areal, onde se podiam pastar bois e vacas ou cultivar plantas forrageiras.

Voltando à Praia da Tocha, e considerando o elevado esforço físico necessário para efectuar as tarefas da Arte Xávega, resultava que muitas vezes o número de homens da "Companha" era insuficiente para o trabalho necessário.

Por isso desenvolveu-se um sistema de "quinhão" na Praia da Tocha, em que qualquer "não-pescador" interessado em ajudar a puxar as redes (e outras tarefas), podia dar o seu nome (que era registado num papel), trabalhava juntamente com os pescadores e no fim recebia um pequeno "quinhão" variável de peixe, que dependia da quantidade pescada nessa ida ao mar.

Devido à utilidade do "quinhão" de peixe ou por simples curiosidade e vontade em participar, muitos eram os "não-pescadores" que colaboravam na Arte Xávega praticada na Praia da Tocha, fossem eles habitantes das aldeias mais próximas, amigos dos pescadores, forasteiros de passagem, curiosos, veraneantes ou turistas.

Deixo aqui alguns vídeos antigos retirados do Youtube, filmados em película nos velhos tempos do cinema a preto e branco, que nos dão um retrato fiel de como era a Arte Xávega à moda antiga:

Onde os Bois Lavram o Mar. Filme incompleto, filmado em 1959 na Praia de Mira (no Concelho de Mira).

 

Mudar de Vida. Filme português de 1966, realizado pelo cineasta português Paulo Rocha (1935-2012) (Clicar!). As cenas do filme que decorrem entre os minutos 34 e 41 da película, filmadas em 1966 na Praia do Furadouro (no Concelho de Ovar), dão um retrato bastante realista de como era a Arte Xávega nesta época.


Fishy Business In Portugal. Curta-metragem de actualidades cinematográficas, filmada em 1935 em Portugal.


 
Mais alguns vídeos retirados do Youtube:

Reconstituição parcial da Arte Xávega antiga na Praia da Tocha (Reportagem SIC):

Reconstituição em Espinho:


Reconstituição na Praia da Torreira (no Concelho da Murtosa):



Algumas fotografias dos painéis de azulejos existentes na Capela da Praia da Tocha (tiradas em Julho de 2007), que retratam cenas da antiga Arte Xávega que se praticava nesta localidade. Estes azulejos, baseados em fotografias antigas, foram pintados pelo Sr. Jorge Guerra, artista especializado neste tipo de trabalhos.
A primeira fotografia mostra o transporte de um barco de pesca recém-construído para a Praia da Tocha. Vários dos barcos que aí se utilizaram até meados do século XX, foram construídos num estaleiro artesanal que se situava na parte Noroeste do Largo da Tocha, na zona situada entre a Igreja e a Casa Paroquial.







 

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Arte Xávega I - O que é a Arte Xávega?









I - O que é a Arte Xávega?


A Arte Xávega é uma técnica tradicional de pesca costeira de arrasto, por cerco, muito antiga, cuja origem, secular ou milenar, se perde na noite dos tempos. Actualmente encontra-se em risco de desaparecimento, numa fase de contínuo declínio que vem desde a década de 60.

Nos dias de hoje, esta arte piscatória ainda é praticada por algumas centenas de pescadores, em algumas localidades costeiras de Portugal, incluindo a Praia de Mira e a Praia da Tocha (ambas na Região da Gândara). Também ainda é praticada na Praia da Vagueira, no Concelho de Vagos, mas que não incluo na Gândara por já estar situada na Região Tradicional da(s) Gafanha(s). Também chegou a ser praticada no passado na Praia de Quiaios, no Concelho da Figueira da Foz.

Hoje tem um carácter sobretudo sazonal, sendo praticada essencialmente nos meses do Verão e do fim da Primavera, quando o mar se encontra mais calmo e abundam os clientes para o pescado (aproveitando a época turística).

Outrora muito praticada ao longo de toda a costa portuguesa, entrou em decadência nas décadas de 60 e 70 do século XX, tendo desaparecido de grande parte das localidades costeiras do país. Nos locais onde sobreviveu, passou por um processo de modernização tecnológica, que lhe permitiu trabalhar com um número bastante mais reduzido de pescadores, bem como poupar estes do esforço muscular hercúleo que lhes era exigido no passado. Apesar destas transformações, esta arte ainda conserva um carácter tradicional, em que sobrevive muita da herança histórica, cultural e social de tempos passados.



Há um século atrás, o panorama era bem diferente da actualidade, com muitos milhares de pescadores e centenas de barcos espalhados por muitas das localidades costeiras de Portugal, aproveitando cada trégua concedida pelo mar para pescar.

Como funciona a Arte Xávega?

Para ajudar à compreensão do funcionamento desta arte tradicional de pesca, coloco aqui duas figuras que fiz em 2013 (com umas modificações mais recentes). Alerto os leitores que estes esquemas foram feitos por mim baseados no que conheço da Arte Xávega (a partir do que que vi, li e ouvi ao longo da minha vida), por isso o seu rigor poderá ser objecto de algumas críticas por quem verdadeiramente conhece e pratica esta arte.

Os sucessivos passos de uma ida ao mar encontram-se descritos em sucessão numérica nas figuras seguintes, que aconselho que sejam abertas numa nova janela do browser no seu tamanho real:

1 - O barco, em forma de meia-lua, que se encontra na praia previamente carregado com centenas ou milhares de metros de cordas e redes, é empurrado para o mar. À medida que avança, vai desenrolando e colocando no mar uma corda, cuja extremidade fica solidamente presa no praia.
Durante esta fase perigosa, o barco segue a direito pelo mar adentro, cortando as ondas na sua zona de rebentação.

2,3 - Ultrapassada a zona de rebentação, o barco vira de lado e inicia um longo percurso no mar que o leva a quase completar um círculo (ou um "O"), ante de iniciar a manobra de regresso à praia. Vai continuando a lançar a corda ao mar.

4,5 - O barco começa agora a lançar a primeira metade da rede de pesca propriamente dita ao mar.

6 - O barco atinge a metade do seu percurso e lança ao mar o saco da rede, onde mais tarde ficará retido o peixe. Este saco é marcado por uma grande bóia, destinada a ser visível ao longe a partir da praia, que servirá de referência visual durante as manobras para puxar as redes.

7 - O barco inicia o seu percurso de regresso, enquanto vai colocando no mar a segunda parte da rede de pesca.

8 - É colocada no mar a segunda metade da corda.

9, 10 - O barco termina o seu percurso no mar em forma de quase círculo (ou um quase "O" ) e vira directamente a proa para a praia, entrando na zona de rebentação das ondas, iniciando a manobra de saída do mar.

11- O barco lança-se a grande velocidade em direcção à praia até encalhar na areia, sendo então preso com cordas e puxado para a praia, até ficar num lugar seguro fora do alcance da água do mar lançada pelas ondas na praia. Ao sair do mar, o barco traz consigo a segunda corda das redes. 

12 e Figura II - Processo de puxar as redes:
(Tarefa lenta, que costuma demorar entre uma a duas horas, dependendo das dimensões das redes de pesca utilizadas.)

Na praia, a partir dos dois pontos de entrada e saída do barco no mar (que podem distar algumas centenas de metros entre si), as duas cordas começam a ser puxadas lentamente. À medida que as cordas vão sendo puxadas em dois pontos diferentes da praia, um deles ou ambos aproximam-se do outro por fases sucessivas, para ir fechando lentamente a rede de arrasto que vai cercando os cardumes de peixe.

Quando acabam as cordas e as duas pontas da rede de arrasto chegam à praia, os peixes ficam encurralados no seu interior. Depois vão ficando progressivamente concentrados no saco da rede, à medida que o resto da rede é puxado para a praia.

Nesta altura final, as duas pontas da rede já estão a ser puxadas de locais muito próximos, quase lado a lado, até que finalmente o saco da rede é puxado para a praia.

Uma vez que a tradicional Arte Xávega não dispõe ainda de tecnologias piscatórias de ponta, como sonares para localizar os cardumes de peixe ou sensores nas redes, é apenas nesta fase que os pescadores finalmente conhecem o rendimento que lhes proporcionou cada ida ao mar trabalhosa, pois o saco tanto pode vir cheio de peixe como quase vazio. Esta é sempre a fase do processo que suscita mais emoções fortes na praia e que costuma reunir uma multidão de pessoas à sua volta, entre pescadores, clientes, curiosos e turistas.

Depois o saco da rede é aberto, o peixe retirado, separado por espécies em cabazes e encaminhado para o mercado por diversas vias.
 
Nota: A descrição que fiz anteriormente relata como funciona a Arte Xávega em termos genéricos. Contudo existem algumas diferenças entre a Arte Xávega do Passado e a da Actualidade, bem como existiram fases de transição e evolução nos anos 60 a 90. Para saber mais sobre isso, não perca os próximos capítulos:

Arte Xávega II - À Moda Antiga.
Arte Xávega III - Evolução a partir dos anos 60, até à atualidade.
Arte Xávega IV - A Arte Xávega no Presente.